Ads 468x60px

domingo, 15 de julho de 2012

PRAZER EM DEUS



John Piper, no seu livro Plena satisfação em Deus, encontra um sentido mais profundo na belíssima declaração do Catecismo de Westminster quanto a pergunta sobre o fim supremo e principal do ser humano. A resposta do Catecismo é enfática: ‘‘O fim supremo e principal do ser humano é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre’’.
Piper questiona que nessa declaração seja encontrada duas coisas distintas - glorificar a Deus e se alegrar nele - como se a pergunta fosse sobre ‘‘os fins supremos’’. Se a pergunta é pelo fim supremo, logicamente a resposta diz respeito a esse fim supremo. Assim, glorificar a Deus e se alegrar nele diz respeito a uma só finalidade.
O sentido da declaração era demonstrar que, como diz Piper, ‘‘nós glorificamos a Deus ao nos alegrarmos nele para sempre’’. Desta forma, o centro da busca pela satisfação do crente encontra-se nisso: Deus é mais glorificado em nós quando estamos mais satisfeito nele, e nós estamos mais realizados e alegres quando Deus é glorificado através de nossa alegria nele.
Como é bom saber que a busca pela alegria e prazer é um chamado da própria natureza humana como criatura de Deus. É esquisito que se pense que a alegria e o prazer sejam contrários a fé cristã. Parece até que tristeza e dissabores são os motivadores da verdadeira glorificação a Deus. Esquisito mesmo!
Mas a declaração não diz isto. Ela afirma Deus como centro de nossa satisfação e que essa satisfação se revela através da glorificação a Deus por meio da satisfação nele. É um bendito ciclo!
Algumas implicações imediatas surgem dessa descoberta. Primeira, é que o nosso maior chamado é para buscar o prazer em Deus. Segunda, é que toda virtude e reverência revelam a espontaneidade do prazer e não o fechamento da tristeza. Terceira, que a essência da adoração é o se deliciar em Deus e não o se privar dessa alegria. Quarta, que o louvor não apenas expressa o prazer em Deus, mas o completa. E, finalmente, que encontrar em Deus a razão do prazer faz com que os demais prazeres encontrem seu devido propósito e valor, pois no prazer em Deus aprendemos a viver o prazer não como vício, mas como uma forma de glorificar a Deus por sua bondade, providência e cuidado por nós.
A alegria no Senhor é nossa força. Vamos seguir de força em força alegres no Senhor e na força de seu poder. Que Deus seja glorificado por nós ao nos alegrar nele e tê-lo como motivo de nossa satisfação em todo o tempo. A Deus toda honra, glória e louvor!
Tenha uma boa semana na bênção de Deus!

Rev. Lucas Guimarães

Nenhum comentário:

Postar um comentário